Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

domingo, 19 de dezembro de 2010

Elias de Mello Ayres

Colaboração da Acadêmica Maria Emilia Leitão Medeiros Redi
Cadeira n° 38 - Patrono: Elias de Mello Ayres

“Prof. Elias de Mello Ayres”

Um homem... uma história
Na bela Capivari, interior de São Paulo, aos dois de Junho de 1890, veio ao mundo o filho do farmacêutico Elias Cândido Ayres e da senhora Maria Custódia de Anhaia Mello, de tradicional família paulista, que seria um homem, um artista e cidadão à frente de seu tempo. Casou-se, em 1913, com a professora Maria Amélia de Aguiar Ayres, desta feliz união nasceram os filhos: profª Maria Aparecida de Aguiar Ayres Guimarães, casada com Guilherme Pereira Guimarães; profª Maria Benedicta de Aguiar Ayres Santoro, casada com José Santoro; profª Maria Cecília Ayres Guidetti Zagatto, casada com o dr. Alcides Guidetti Zagatto; profª Maria Stella de Aguiar Ayres (Irmã Missionária da Congregação das Missionárias de Jesus Crucificado – Irmã Maria Stella da Eucaristia); prof. Dr. Geraldo Claret de Mello Ayres (engenheiro agrônomo e professor universitário), casado com Jurema Rostom de Mello Ayres. O casal Elias e Maria Amélia teve 29 netos.
Elias de Mello Ayres iniciou seus estudos, aprendendo brilhantemente as primeiras letras, no Grupo Escolar de Rio das Pedras, São Paulo. Contemporâneo e colega de Thalles de Andrade e Sud Mennucci, efetuou sua formação acadêmica na Escola Complementar de Piracicaba; formou-se professor em 1910. Em 1920, assumiu a cátedra de Biologia Educacional na Escola Normal de Pirassununga (SP). Em 1936, foi transferido para a Escola Normal Oficial de Piracicaba, hoje “Sud Mennucci”. Aposentou-se em 1952, pela Escola Normal Oficial “Plínio Rodrigues de Moraes”, da cida¬de de Tietê (SP); em Piracicaba, lecionou até sua morte no Colégio Nossa Senhora D’Assunção, das Irmãs da Congregação de São José.
O magistério foi uma das suas paixões!

Elias de Mello Ayres era também um artista. Com apenas 14 anos de idade foi regente da Banda de Música de Rio das Pedras (SP). Grande letrista e poeta, deixou-nos centenas de composições poéticas e hinos oficiais para escolas de Piracicaba e do Estado de São Paulo. Fez parceria com os inesquecíveis Erotides de Campos, maestro Benedito Dutra Teixeira e o maestro Fabiano Losano, para quem compôs a letra do famoso hino “Rumo ao Campo”. É de sua lavra, também, a letra do hino do Colégio Assunção, da Escola Prudente de Moraes, da escola José Romão, entre tantas, bem como a letra do hino oficial da cidade de Pirassununga (SP), em parceria com Antenor de Godoy, autor da música.
Como Jornalista, foi grande colaborador do “Jornal de Piracicaba”, em variadas crônicas e artigos, enfocando principalmente a educação, o civismo e exaltando as belezas de Piracicaba. Escreveu diversos contos cívicos e deixou grande material inédito.
Este nobre cidadão norteou seus passos na honra e civismo inigualáveis, permanecendo até hoje um exemplo de honestidade, inteligência e sensibilidade moral e cívica.
Cidadão prestante, foi mesário-secretário da Mesa Adminis¬trativa da Santa Casa de Misericórdia de Piracicaba, Membro do Conselho Coordenador das Entidades Civis de Piracicaba e Orador Oficial da Cultura Artística desta nossa amada Noiva da Colina.
Criou em nossa cidade a Semana da Criança, na década de 1940, realizando atos pertinentes à criança lactente, à criança que estuda, à criança que trabalha, à criança doente.
Possuidor de grande espírito humanitário, cívico e democrático, deixou filhos e esposa, partindo com o 2º Batalhão Pirassununguense de voluntários constitucionalistas para a frente de luta na Revolução Constitucionalista de 1932.
ELIAS DE MELLO AYRES, um grande homem, esposo, pai, professor, poeta, letrista, orador, jornalista, é exemplo de uma vida de Trabalho Honrado, de Encanto, de Cultura e Civismo, provando que viver e ser feliz é, acima de tudo, ser participante e construtor da História.
Hoje, mui honrada, escrevo sobre a vida deste grande homem que, além de ser o patrono da Escola Professor “Elias de Mello Ayres”, na qual me aposentei no exercício do magistério, é, também, o meu Patrono na Academia Piracicabana de Letras.

Um comentário:

Neneco disse...

É sem dÚvida nenhuma uma grande satisfação entender um pouco mais do que foi meu "AVÔ" ELIAS DE MELLO AYRES!!!! OBRIGADO

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz