Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Fernando Ferraz de Arruda

Colaboração da Acadêmica Ivana Maria França de Negri
Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda

Fernando Ferraz de Arruda

Conheci o Fernando quando comecei a participar das reuniões do Clip − Centro Literário de Piracicaba, por volta do ano de 1997.
A primeira impressão que tive foi a de uma pessoa tímida, de poucas palavras. Mas, com o decorrer do tempo, fui me familiarizando com seu jeito educado e sempre gentil de ser, e pude conhecer um pouco mais acerca de sua personalidade.
Seus poemas sempre enalteciam a família, principalmente a esposa, as filhas queridas e os muitos amigos que amealhou ao longo da vida.
Piracicabano, nascido em 10 de novembro de 1925, foi casado com Maria Odete Bortoleto Ferraz de Arruda e teve duas filhas, Renata e Mariana Ferraz de Arruda.
Cursou odontologia na USP, em São Paulo. Formado em 1952, atuou como dentista no SESC, trabalhando depois como dentista efetivo do Serviço Dentário Escolar. Retornou a Piracicaba nos anos sessenta.
Publicou em 2004, pelo Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba, o livro “A Encantada Curva do Rio”, no qual conta histórias vividas em Piracicaba. Como todo poeta piracicabano, cantou as belezas de sua cidade e do rio Piracicaba.
Era filho de Antonio Ferraz de Arruda Pinto e de Candida Doria Ferraz. Eram seus irmãos o doutor Lúcio Ferraz de Arruda e Celina Ferraz de Arruda.
Classificou-se em segundo lugar no Festival Literário da 3ª Idade, tema “Brasil 500 Anos”, promovido pela ESALQ/USP em 2000, com a poesia Ibirapitanga, sendo o prêmio um relógio de bolso que ostentava sempre com muito orgulho. Compôs até um soneto, “Reloginho de bolso”, demonstrando toda a sua felicidade por essa conquista.
Fernando aposentou-se em 1995. Participou das reuniões literárias enquanto sua saúde permitiu, sempre em companhia do primo e também poeta, Francisco de Assis Ferraz de Mello.
Faleceu em 2 de dezembro de 2007, aos 82 anos de idade.
Seguem algumas produções literárias do meu patrono:
RENATA E MARIANA, FILHAS QUERIDAS

Somente Deus nos dá riqueza tal,
Assim tão bela, como a linda flor.
A flor, em pétalas de vivo amor,
De vivo amor, sublime e maternal.

Somente Deus nos dá presente igual
À filha, ou ao filho encantador,
Um mimo assim vital, continuador,
Continuador de alguém mais especial.

A Renatinha, agora em faculdade,
Já ri melhor, em seu aniversário.
E Marianinha enfrenta o colegial.

Um colegial de ensino soberano,
São pois, de idade nova e, por bondade,
Com Deus, no coração super-humano.



ÀS MÃES
(Para Odete querida)

A mãe é, especialmente considerada
Por Deus imenso, onipotente,
Também é, em tudo, iluminada,
Pela luz do luar dos olhos de Maria.

Maria, a santificada Maria, a Mãe
De Jesus, sofreu imensamente.
Pelo sofrimento de seu Filho Santo,
Sofreu muito, merecendo o seu sagrado manto.

Em toda parte, julgo e garanto,
As mães são vistas com respeito tanto,
Ao verem o filho chegando da escola,

Onde se aprende a ser alguém,
Elas são felizes, ao verem o filho de coração sem susto
Vindo da escola, onde se aprende a ser meigo e justo.


RELOGINHO DE BOLSO
(Para Carmen Pilotto, Chico Mello e à Esalq)



Segundo por segundo o tempo passa,
Enquanto o ponteirinho se desloca
No rico reloginho que me toca:
Lembrança desta ESALQ, nesta praça.

Terceira idade, ah! Veja, é grande graça!


Um prêmio deste, não, nunca se troca!
Aqui, meu sonetinho; por lá beijoca
Da ESALQ, como prêmio, tanto engraça.

O reloginho fino ou elegante,
Até me engrandeceu demais, além.
Um prêmio é sempre um prêmio, e relevante.

Conduz o ser humano só ao bem.
Pequenino assim, mas, serve o bastante.
Igual ao tão famoso Big Ben.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz