Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Jorge Anefalos

Colaboração do Acadêmico Homero Anefalos
Cadeira n° 30 - Patrono: Jorge Anefalos

O perfil de Jorge Anefalos – Imortal

O nome de Jorge Anefalos, pela Lei Municipal n. 3.022, de 5 de maio de 1989, figura em rua desta cidade de Piracicaba, exatamente à rua 2, do Parque Orlanda I, e rua 4, do Parque Orlanda II – Rua Jorge Anefalos (cidadão prestante).
Jorge Anefalos, viúvo de Anna Anefalos, nasceu em 6 de janeiro de 1905, na Ilha de Kalinos, Grécia, filho de João Anefalos e Eufêmia Anefalos.
Faleceu em São Paulo, Capital, em 23 de julho de 1987, às 22:30hs, mas residia há alguns anos sozinho com o seu filho Dr. Homero Anefalos e família, nesta cidade, à Rua Coronel Barbosa, n. 150, bairro dos Alemães.
Desde 1961 frequentava assiduamente a cidade deste seu filho, Piracicaba, participando dos problemas da cidade, e sempre procurou ajudar as pessoas necessitadas e carentes que o procurassem, mesmo em prejuízo dos seus interesses. Era benemérito. Muitos dos trabalhos de benemerência eram realizados anonimamente.
Na colônia grega, sempre participou da integração dos recém-chegados patrícios a este país, colocando como país de seu coração o Brasil, onde viveu mais de 60 anos.
Veio ao Brasil muito jovem e casou-se aqui mesmo com Anna Sertek, em 7 de fevereiro de 1935, em São Paulo, capital, registro civil, Primeiro Subdistrito da Sé.
Desta união, nasceram dois filhos, ainda vivos:
Dr. Homero Anefalos, casado com Laila Nahas Anefalos, tem três filhos (Homero Anefalos Júnior, Lílian Cristina Anefalos e Alexandre Anefalos). Advogado militante, perito criminal e cível, jornalista e radialista profissional, membro efetivo e fundador da Academia Piracicabana de Letras, tem ainda outras atividades e reside em Piracicaba há mais de 25 anos.
Dra. Arthemis Anefalos Pereira, casada com Sérgio Viniegra Pereira, residente e domiciliada em São Paulo, Capital, tem dois filhos (Sérgio Anefalos Pereira e Rogério Anefalos Pereira).
Jorge Anefalos veio para o Brasil jovem com 18 anos, casando-se aqui no Brasil, com 28 anos.
Percorreu vários estados brasileiros, tais como Mato Grosso, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Paraná e outros mais, sempre elogiando essa grande nação.
É interessante notar, como curiosidade, que Jorge Anefalos era excelente atleta, nadador, chegando já na sua infância, desde os 10 anos de idade e adolescência, a trabalhar nos serviços submarinos, inclusive extração de esponjas do mar, permanecendo mais de 6 minutos submerso, evoluindo para escafandro, que era alimentado com ar bombeado, manualmente, por companheiros no barco, através de tubo até o capacete do mergulhador. Não havia tubos de oxigênio naquela ocasião. Caso o ar bombeado não chegasse ao mergulhador, isto poderia afetar o seu cérebro, deixando-o inválido. Felizmente, isso não lhe ocorreu. Porém, diversos companheiros seus perderam a vida e outros ficaram inválidos, com perda dos movimentos dos membros inferiores. Isso se deu em virtude de falha humana, no bombeamento do ar, provocando lesões cerebrais, daí a invalidez.
Na sociedade Jorge Anefalos era elemento muito ativo na solução de pro¬blemas de sua comunidade, onde quer que se radicasse, sempre visando melhorias. Procurava enfrentar e ajudar para que as autoridades competentes procedessem a melhorias, como pavimentação de vias públicas, de fazer chegar energia nos bairros, problemas sociais, familiares, enfim, era sempre solicitado para opinar e ajudar, em face de sua longa experiência; ajudava a todos, sem distinção de raça, sexo ou cor, mesmo em prejuízo dos seus interesses pessoais e econômicos. Era benemérito.
Na colônia grega, sempre participou da integração dos recém-chegados ao novo país.
Trabalhava, antes de se aposentar, na confecção de roupas masculinas e se dedicava às letras, com artigos publicados na imprensa de São Paulo, Capital, abordando assuntos diversos. Após a sua aposentadoria, dedicou-se integralmente aos trabalhos de benemerência.
Pertenceu à Academia Piracicabana de Letras, considerada de utilidade pública por leis federal, estadual e municipal, sendo membro efetivo e patrono do seu filho, Dr. Homero Anefalos, que é membro efetivo e fundador, ocupando a cadeira 29 na sua primeira fase de existência, e a cadeira 30 na atual fase.
Jorge Anefalos também pertenceu ao Clube dos Escritores de Piracicaba, sendo igualmente nessa entidade patrono de seu filho Dr. Homero Anefalos.
Pertenceu também à Academia Paulista de História e à Ordem Nacional dos Bandeirantes-MATER, entidade prestigiosa, que mantém estreitos laços com os escritores de Piracicaba e com os piracicabanos, através da Academia Piracicabana de Letras, cujo presidente era o saudoso Dr. João Chiarini, e que lhes prestaram sinceras homenagens, inclusive post-mortem.
Jorge Anefalos tinha tendência socialista e não militava em nenhum partido político. A Associação dos Advogados de Piracicaba homenageou-o através de sua diretoria, na Assembleia Geral Ordinária de 18 de agosto de 1989:
“…o senhor presidente tomou da palavra tecendo considerações de louvor e de pesar pelo passamento do ilustre cidadão, Sr. Jorge Anefalos, estendendo-se longamente na análise de suas qualidades pessoais, destacando tratar-se de cidadão benemérito, pública e notoriamente conhecido, defensor das causas de interesse público, sempre em prol do direito e da Justiça, num verdadeiro espírito de brasilidade. Ressaltou, ainda mais, que Jorge Anefalos estava vinculado a Piracicaba, nossa cidade, por in-ensos laços de amizade e de coração, redicando-se nela nestes últimos anos. Esclareceu, ainda mais, que Jorge Anefalos faleceu aos 82 anos, em 23/7/1987, e propôs que se tornasse pública a deferência acima, para que ficasse perpetuada nos Anais da História da associação, fazendo-se, inclusive, Edital a respeito”.
Jorge Anefalos também recebeu homenagens sinceras em prestigiosos matutinos piracicabanos, o Jornal de Piracicaba, O Diário e A Tribuna Piracicabana.
Jorge Anefalos também foi homenageado por representar, nesta cidade, a colônia grega, cultivando a sabedoria milenar dos antepassados gregos, reconhecidos por toda a humanidade.

A eterna homenagem ao patrono Jorge Anefalos
A Academia Piracicabana de Letras, em sessão magna, concedeu o diploma “Fortunato Losso Neto” ao Sr. Jorge Anefalos, devidamente registrado, no livro competente, em 18 de outubro de 1896, pelo presidente Dr. João Chiarini.
Atualmente, face à nova lei prevista no Código Civil Brasileiro, o Sr. Jorge Anéfalos é patrono da nova cadeira número 30, ocupada pelo seu filho, Dr. Homero Anefalos, instituído nessa ca¬deira em sessão magna, realizada em 2009, na sede central do Clube Cristóvão Colombo, em Piracicaba. Atualmente é presidente da Academia Piracicabana de Letras a Sra. Maria Helena Vieira Aguiar Corazza.
O Clube dos Escritores de Piracicaba conferiu diploma e láurea a Jorge Anefalos, como escritor e patrono do Dr. Homero Anefalos:
“De acordo com a Lei número 4.426/98, que instituiu no Município os seus diplomas e láureas, o Clube dos Escritores de Piracicaba lavra, de forma vitalícia, no diploma da Galeria de Honra, tornando-se dessa forma imortal, com dignidade e orgulho, como alguém que muito fez pela comunidade, pela Literatura e pela Cultura, o nome de Jorge Anefalos, como Patrono da cadeira número 34, da Área de Ciências, do Conselho Acadêmico do Clube dos Escritores de Piracicaba. Datado em Piracicaba, 20 de julho de 2001”.
A Lei número 3022, de 5 de maio de 1989, aprovada pela Câmara Municipal de Piracicaba e sancionada e promulgada pelo sr. Prefeito Municipal, Sr. José Machado, deu nome de via pública, Rua Jorge Anefalos (Cidadão Prestante), no Parque Orlanda II, bairro de Santa Teresinha.
A Família do Imortal Jorge Anefalos
Jorge Anefalos foi casado com Anna Anefalos, ambos falecidos.
Jorge Anefalos tem dois filhos, com nomes gregos (Grécia: berço da civilização. Hipócrates, o Pai da Medicina, ensinava: “Faz do teu alimento o teu medicamento”): Homero Anefalos e Arthemis Anefalos Pereira.

Pela Mitologia Grega, Homero foi o autor dos famosos livros A Ilíada e A Odisseia, e Arthemis foi a deusa da Lua e da caça.
Arthemis Anefalos Pereira, casada com Sérgio V. Pereira, tem dois filhos: Sérgio (cientista) e Rogério (advogado).
Homero Anefalos tem três filhos:
1) Dr. Homero Anefalos Júnior (Engenheiro, área Elétrica), casado com Romilda Martins Anefalos, com uma filha menor, So¬phia.
2) Dra. Lilian Cristina Anefalos (Pesquisadora científica, com mestrado e doutorado na ESALQ), casada com Ari Fortes, com duas filhas, Yasmin e Júlia, menores.
3) Dr. Alexandre Anefalos (médico especialista e escritor, membro da Academia Piracicabana de Letras na fase do Dr. João Chiarini, membro emérito na atual fase, e membro do Clube dos Escritores de Piracicaba, onde tem recebido homenagens pelos trabalhos realizados, inclusive na área da Medicina. É casado com a Dra. Miriam Ferreira de Paula Anefalos (médica especialista), tendo dois filhos gêmeos, Amanda e Rafael, de 6 anos.
Anna Anefalos é patronesse da bisneta Yasmin Anefalos (filha da Dra. Lilian Cristina Anefalos), e ocupa a cadeira n. 59, área de Letras, do Clube dos Escritores de Piracicaba, a qual será homenageada, em 26 de novembro deste ano, na Câmara Municipal de Piracicaba, recebendo o Colar Literário, pelos seus ótimos trabalhos publicados na Revista do Clube dos Escritores de Piracicaba e no jornal A Tribuna Piracicabana. Homero Anefalos também estará sendo homenageado nesse mesmo local e data, recebendo o Colar da Ciência.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz