Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Leo Vaz

(foto - Memorial de Piracicaba)

Colaboração do Acadêmico Evaldo Vicente
Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz

Leo Vaz, entre os primeiros do Estadão


Não cheguei a conhecê-lo, apesar de já estar no jornalismo, quando, em 1973, a 5 de março, morreu Leo Vaz de Barros, capivariano de nascimento, mas que teve, em Piracicaba, o início de toda glória como professor e jornalista. Nasceu dia 6 de junho de 1890, e eu nasci no mesmo dia e mês, em 1954, sem qualquer comparação intelectual, apenas na citação do tempo. Para mim, foi exemplo de quem assume um jornal e vai até o fim.
Leo Vaz – como literato, um satírico – foi, de 1918 e até 1973, redator, secretário e diretor do jornal O Estado de São Paulo, dando suporte à empresa e à família, com o exílio de Julio Mequita Filho, tendo antes trabalhado ao lado de Cásper Líbero em A Gazeta, de São Paulo.
Dos itens de sua vasta biografia, antes de diretor de O Estado, registram-se que foi um adolescente precoce, sabendo aos 13 praticamente de cor “Os Lusíadas”, de Camões, diplomou-se professor, pela Escola Normal de Piracicaba, e ensinou em várias cidades do Interior do Estado e também na Escola de Aprendizes Marinheiros do Recife.
Começou o jornalismo em Piracicaba, na Gazeta (fase do século XIX), e foi o primeiro dos piracicabanos que foram para o jornal O Estado de São Paulo, seguido assim de Breno Ferraz do Amaral, Mário Neme e outros. Ele gostava de jornal como poucos e, talvez, eu goste de jornal como ele sempre gostou.
Revisor, repórter, redator, secretário, diretor: uma vida dedicado ao jornalismo, especialmente à Gazeta e ao Estadão. Leo Vaz, meu patrono entre as 40 cadeiras, foi o diretor de jornal que foi de Piracicaba para São Paulo, enquanto que o patrono de Lino Vitti, Sebastião Ferraz – fomos amigos até o fim , veio de São Paulo para Piracicaba. Ocupou a cadeira 14 da Academia Paulista de Letras (APL).



Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz