Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Férias: tempo de leitura e reflexão*

 Acadêmica Myria Machado Botelho
Cadeira n° 24 - Patrona: Maria Cecília Machado Bonachella

           Milton Hatoum, escritor e cronista brasileiro, em sua inspirada crônica, Livros de verão e literatura de verdade ( 6ª feira/4/01/2013/ Caderno 2/Estadão),veio ao meu encontro na reflexão de nossos tempos, tão pobres e precários de  boas leituras, aquelas que ensinam a pensar com espírito crítico e levam o leitor a imaginar, sonhar, sobretudo elevar-se a patamares  mais elevados do espírito.
      Referindo-se à Feira do Livro, realizada há poucos meses em Guadalajara, em que um escritor espanhol, desolado, perguntava a uma mulher onde estavam os leitores, ela apontou para uma fila de leitores que queriam comprar a edição espanhola do best-seller Cinquenta tons de cinza. O cronista acentua que, provavelmente, os leitores dessas historinhas de sexo e violência não se aventuram a leituras mais profundas que mergulham na condição humana e psicológica, no jogo social e político, nas contradições e misérias do nosso tempo, menos ainda na linguagem em sua forma de narrativa. No Brasil, estas baboseiras são ainda mais graves, em virtude da enorme precariedade estrutural de nosso ensino público. Milhões de jovens se ressentem de uma formação educacional consistente.
            No meu tempo de estudante, aprendíamos com os mestres a valorizar o vernáculo e o conhecimento dos bons autores, tanto nacionais quanto estrangeiros, isto desde cedo. Castro Alves, o poeta predileto de meu primeiro professor de português, era decorado para apresentação de jograis, isto depois de preleções que estimulavam e criavam o interesse. A poesia não era a arte de uma imensa minoria, mas constituía um entretenimento saudável, e as redações, bem como o manejo correto do vernáculo, uma exigência nas provas de outras disciplinas, sem o qual as notas eram rebaixadas.
       Mais tarde, quando me aventurei na difícil arte da escrita, um professor de literatura, escritor autodidata, redator principal do Jornal de Piracicaba por muitos anos, apaixonado por literatura e excelente crítico literário, conduziu-me pelos caminhos da arte que considerava a mais espinhosa de todas.Após a leitura dos textos, passávamos  para a análise gramatical e sintática, desdobrando- os e descobrindo o porquê da excelência ou das falhas.Tenho comigo uma lista das 10 obras-primas imprescindíveis numa biblioteca  particular: Dom Casmurro (Machado de Assis), Vidas Secas (Graciliano Ramos), Grande Sertão, Veredas( Guimarães Rosa), Guerra e Paz (L. Tolstoi), A Cartuxa de Parma ou O Vermelho e o  Negro (Stendhal ), Crime e Castigo (F. Dostoievski), O velho e o Mar (E. Hemingway), Ilusões Perdidas (H. de Balzac),Lord Jim (J.  Conrad ).
            Nestas férias, num lugar de paraíso, no alto da Serra de S.Pedro, descansei com a releitura ( hábito freqüente) de meu autor preferido na infância, Monteiro Lobato. Desta vez, deliciei – me com  A história do mundo para crianças. Transportei-me para aquele mundo encantado, aquela forma sutil e maravilhosa de ensinar, conduzindo e trabalhando a imaginação e a curiosidade através do conhecimento. Sua obra é imortal.
            Repetindo o grande cronista, mencionado no início, Lobato permanece, após quase um século, enquanto o tempo se incumbe de apagar os tons de cinza, os crepúsculos, as cabanas e a xaropada que finge literatura para ressaltar ainda mais o valor dos grandes imortais.

* Texto publicado na GAZETA DE PIRACICABA

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz