Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

terça-feira, 10 de maio de 2016

Método lúdico para o ensino da Gramática

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado


A Gramática, queira-se ou não se queira, é sempre um osso duro de roer. É sempre desagradável o seu ensino e, ainda mais, o seu aprendizado. Deve-se, pois, proceder da forma clássica como se faz tudo o que é difícil na vida: disfarçando sua dureza.
Disfarçar a dureza, no caso, não se trata de enganar o aluno ou o próprio sistema de ensino, adotando artifícios fraudulentos ou mentirosos. Mas trata-se de, chãmente, fazer envolver a pílula de amargo remédio numa fina camada de açúcar, que a torne, aos olhos do paciente, como similar ou análoga a uma bala, a um confeito apetecível. Tanto quanto possível, pois, o professor deve fazer o processo de ensino/aprendizado se aproximar do modelo lúdico, adotado em jogos e brincadeiras. Quanto mais ele consiga isso, tanto mais seus alunos poderão se entusiasmar pelo processo e, assim, aprenderem a rebarbativa e assustadora Gramática.
A experiência demonstra que é sempre útil trabalhar com textos, para, a partir deles, serem abordados os temas gramaticais. Se é assim, procurem-se textos interessantes, atraentes. Procurem-se coisas da vida concreta, que apresentem problemas que façam os discentes se sentirem concernidos e envolvidos de imediato. Letras de música, crônicas ligeiras, textos humorísticos, cartas, notícias de imprensa, tudo isso são coisas que, para um professor hábil, fornecem matéria útil para a abordagem em sala de aula de temas gramaticais.
Além do texto em si, também o modo de abordá-lo pode, muitas vezes, fazer a diferença. Há que abordá-lo de modo inteligente e atrativo, tanto quanto possível dando aparência lúdica, de entretenimento, de desafio, à matéria explanada. É aí que a criatividade, a inventividade, a capacidade de improvisação de um docente se coloca à prova.
Lembro que certa vez eu estava, na Escola do Escritor, de S. Paulo, ministrando um curso de criatividade literária, e eu recomendava que os exercícios de criatividade, quando realizados em grupo, tomassem o aspecto de animadas brincadeiras. De repente uma das alunas − no caso concreto, uma senhora de mais de 70 anos − me interrompeu e contou um caso de sua adolescência, o qual, segundo ela, tinha marcado toda a sua vida. E relembrou um acampamento de meninas bandeirantes (escoteiras), de que participara aos 12 anos de idade. Chovia torrencialmente, de modo que as meninas não podiam sair das barracas. Como estavam tristonhas e deprimidas, a monitora, muito experiente e jeitosa, propôs uma brincadeira especial para ser feita dentro da barraca, que seria, garantia, muito mais interessante do que brincar como sempre faziam. Diante da curiosidade das meninas, a monitora declarou que tinha um romance inteirinho pensado, na sua cabeça, e que desafiava todas a descobri-lo. Podiam todas fazer as perguntas que quisessem, e ela apenas responderia sim ou não. Nada mais.
As meninas se animaram e puseram-se logo a fazer perguntas. E a mestra ia respondendo sim ou não. E assim, durante três ou quatro horas, entregaram-se todas aquelas cabecinhas, febrilmente, ao exercício conjunto de criarem um romance, acreditando piamente que estavam apenas descobrindo algo que a professora já tinha pensado. Atuou, sem dúvida, uma forte dinâmica de grupo e a brincadeira deu certo. Articulou-se pouco a pouco um enredo maravilhoso, cheio de pormenores interessantes, de problemas até profundos, de suspenses fascinantes. Só no final, quando todas as meninas estavam encantadas com aquela brincadeira nova, a monitora lhes revelou a verdade: não existia romance algum na sua mente, as meninas é que tinham  criado aquela história encantadora...
A senhora recordava, seis décadas depois, até meio emocionada, esse fato que a marcara profundamente. Parece-me um ótimo exemplo de como se pode, com inteligência e jeito, transformar um exercício penoso em algo agradável. Se a monitora tivesse proposto diretamente que compusessem um romance, é claro que todas se teriam desinteressado ou desviado do foco adequado.
Monteiro Lobato tem um livro, “Emília no país da Gramática”, em que tenta aplicar o método lúdico para o ensino da Gramática. Eu apenas ressalvaria que esse livro é um tanto iconoclasta, um tanto irreverente em relação às normas gramaticais, apresentadas como ridículas e meras convenções sem razão de ser. Mas, enquanto método, é ótimo.
Também Malba Tahan, o genial escritor fluminense, conseguia prodígios ensinando Matemática com método lúdico. Seu livro mais famoso é o clássico “O homem que calculava”, grande sucesso editorial ainda em nossos dias. O mesmo autor publicou dezenas de outras obras menos conhecidas, muitas das quais destinadas ao ensino prazeroso e lúdico da Matemática. Por que os professores de Gramática não tentam transpor, para sua área específica, a genialidade pedagógica que Malba Tahan usou na Matemática?

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)