Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Uma questão de ponto de vista



 Valdiza Maria Caprânico 
Cadeira n° 4 - Patrono: Haldumont Nobre Ferraz 

Você, certamente, já passou pela experiência de cruzar seus olhos com os olhos de um animal... mas, será que entendeu o que ele quis lhe dizer?
Pois é. Estamos tão acostumados a considerar os animais como seres inferiores, que nem nos preocupamos com isso.
Mas, se prestássemos mais atenção a eles, aprenderíamos muita coisa – a começar, raciocinando melhor.
Por exemplo, vamos começar citando os gatos: vira-latas, de raça, brancos, pretos, mesclados – todos.
Você já percebeu que ao sermos comparados com eles, nos desmanchamos todos? Se alguém chama uma garota de gatinha ou gata – pronto! Conquistou, para início de conversa, sua simpatia. E o mesmo acontece com os rapazes e até homens feitos: chame-os de gatos, gatinhos ou gatões e veja – eles já estão conquistados.
Curiosamente, os gatos – e quem os possui, sabe disso, são animais independentes, orgulhosos, só aceitam agrados quando lhes interessa, às vezes são ciumentos e até antipáticos... Mas, mesmo assim, gostamos de ser comparados a eles. Que ninguém ouse nos chamar por outro bicho (exemplo: vaca, macaco, zebra, anta etc.) porque isso pode gerar inimizade ou uma boa briga. Esquecemo-nos completamente de que todos os animais têm sua beleza, sua importância na Terra, sua forma especial de viver.
Voltando aos gatos – animais pelos quais tenho grande predileção, pois convivo com eles desde minha infância – e – até hoje, não imagino como seria não ter um deles por perto. Aqui, faço um parêntese, para citar meu gato atual – o Leozinho – um persa loiro, fofo, dengoso, muito mimado. Quando nossos olhares se cruzam, tento imaginar o que ele está pensando, ou tentando me transmitir...
Aí, chego à conclusão de que não há como ser comparado a eles. Por que?
Eles não enganam seus semelhantes, não traem, não matam, não corrompem – só para citar alguns de nossos defeitos. E, com certeza, não gostariam de ser comparados com nenhum de nós. Gatos são discretos, limpos. Na verdade, só fazem grande barulho na época do acasalamento, mas, aí se pode entender: “é o amor, a paixão, o desejo”, falando mais alto que tudo. Depois desses momentos, a fêmea, se estiver prenhe, sem ajuda, sem orientação alguma, irá aguardar o nascimento de seus filhotes e cuidará deles com o maior carinho, proteção. Não abandona seus filhotes, não os troca, não os vende. Ensina a eles tudo que precisarão saber para viver neste mundo tão cruel...
Será que poderemos ser comparados a eles?
Referi-me, até aqui, aos gatos, mas, o mesmo pode se dizer dos cães – pois, mais do que os gatos, são os nossos mais fiéis e melhores amigos. Eu, mesma, não sei dizer como faria minhas caminhadas ao pôr do sol, sem a companhia de minha cachorra, a Paquita.
Também, por motivos profissionais, já tive oportunidade de trabalhar, inclusive, com animais silvestres, em zoológico, e muitas vezes testemunhei atitudes, ações deles, que me deixaram perplexa e que envergonhariam muita gente.
E olhe, os animais não falam, pelos menos a nossa língua.
Portanto, quando se zangar com alguém, não o chame por nenhum outro animal. Eles, nenhum deles, merece essa humilhação. Lembre-se, aí sim, de que todos nós fazemos parte da criação divina e, não podemos nos esquecer de que, quando nós, os humanos, surgimos aqui na Terra, eles já estavam nela, há milhares de anos.
Chegamos por último neste planeta. Talvez com isso, nosso Criador já quisesse nos transmitir uma importante mensagem: colocou-nos num planeta com tudo à nossa disposição – água, ar, alimentos – e, ao mesmo tempo, quis mostrar-nos o quanto dependemos de tudo e de todos para nossa sobrevivência...
É por isso que não há como sermos comparados a nenhum outro animal. Esse é o meu ponto de vista. Qual é o seu?

Um comentário:

Anônimo disse...

My name is Hempel Schorn. I was born in Montreal, Canada. I have studied in Montreal and Madrid and lived and worked in Montreal. You have a really nice blog!
beach wedding dresses

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz